A moralidade do discurso sanitário e o problema da justiça: um silogismo sobre os limites da autoridade médica no contexto de uma ordem social democrática

O que significa, então, justo? Acho que justiça é o conceito contrário a poder. Temos de distinguir uma ordem normativa à qual estejamos subordinados por poder, pela ameaça de castigos externos (como se fôssemos escravos) de uma ordem normativa justa. E me parece que a única maneira de se definir uma ordem normativa justa é […]

O justo não tem folga

Não parece uma balança desmontada aguardando ser ainda construída? Não parece a arquitetura de um projeto, mais do que um projeto de arquitetura? Não parece um monumento à própria memória do dever? Desenho: Oscar Niemeyer.

Dikálogo

I) O mais hermético na justiça é saber por que razão ela mesma só parece estar em equilíbrio entre a balança e a espada. II) A modernidade é, num sentido bem preciso, a dificuldade de reduzirmos a política a uma questão unicamente de “afinidade cultural”. Aos que costumam subtrair esse fenômeno histórico do horizonte normativo […]

A questão do isolamento involuntário de pessoas com TB – Um resumo das orientações éticas da OMS

Pablo Dias Fortes (CRPHF/ENSP/FIOCRUZ) pablodias@ensp.fiocruz.br Rio de Janeiro, agosto de 2018 Apresentação Com o propósito de garantir maior publicidade junto ao público brasileiro interessado, apresento a seguir alguns trechos livremente adaptados e traduzidos[1]do documento Ethics guidence for the implementation of the End TB Strategy (Orientações éticas para a implementação da “Estratégia Fim da TB”; WHO, […]

Rawls, Dworkin e Sen: três abordagens da justiça

Proponho apresentar neste curto exercício comparativo as principais características de três diferentes abordagens da justiça social defendidas, no âmbito da filosofia política contemporânea, por John Rawls (justiça como equidade), Ronald Dworkin (igualdade de recursos) e Amartya Sen (capability approach). Meu ponto de partida consiste na premissa segundo a qual toda e qualquer abordagem da justiça […]

Regras

Regras. O que seria da vida social sem elas? Seria concebível alguma ordem possível? Alguma chance (um sinal?) de sabermos o que esperar uns dos outros? . . . Seria viável a completa não-interdição?

O Brasil como problema filosófico

Poucos meses antes de partir, Joel Rufino dos Santos (1941-2015) me presenteou com os dois volumes da obra “Consciência e Realidade Nacional” (1960), trabalho monumental que Álvaro Vieira Pinto (1909-1987) realizou enquanto dirigia o departamento de filosofia do célebre Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB), no qual Joel foi também professor no departamento de história. […]

Hospedar o Outro

O olhar que o Outro nos lança é sempre a iminência de uma inesperada chegada. A fotografia é, enquanto arte, o retrato em si desse mistério. O Outro está lá, distante, e ainda assim tão próximo que só pode mesmo ‘aparecer’ quando não é previsto. Ética é o nome que damos a essa estranha recepção. Pois […]